Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 12 98884 5913
No comando: Jambeiro FM a caminho do Sol

Das 00:00 às 04:00

No comando: Alvorada Sertaneja

Das 04:00 às 07:00

No comando: Sertanejo Classe A

Das 07:00 às 10:00

No comando: Café com a Psicóloga

Das 08:30 às 09:00

No comando: Musica e Informação com Alex Silva

Das 09:00 às 10:00

No comando: Revista Semanal

Das 10:00 às 12:00

No comando: Alex Silva com Música e Informação

Das 10:00 às 12:00

No comando: Almoçando com o Rei

Das 12:00 às 13:00

No comando: Tarde Musical Jambeiro FM

Das 13:00 às 16:00

No comando: Programa Sitio do Seu Dito

Das 16:00 às 18:00

No comando: Jambeiro a Noite

Das 21:00 às 00:00

No comando: Jambeiro a Noite

Das 21:00 às 23:00

No comando: JAMBEIRO FM DANCE CLUB

Das 22:00 às 00:00

No comando: O Poder da Fé

Das 23:00 às 00:00

Menu

Suzane von Richthofen passa a usar transporte coletivo para ir à faculdade

Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos por ser a mandante da morte dos pais, passou a usar o transporte coletivo para se deslocar entre o presídio e a universidade onde estuda o curso de biomedicina. Alunos e usuários do transporte público flagraram a condenada embarcando em um ônibus na última semana.

Suzane cumpre pena no regime semiaberto e teve autorização da Justiça em setembro para estudar fora da Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, onde cumpre pena. Desde o início das aulas, a presa ia à universidade acompanhada por advogados usando carro de aplicativo na ida e na volta, mas agora tem optado pelo transporte público.

Segundo alunos ouvidos pela reportagem de um jornal da cidade, a assassina condenada passou a ir e voltar de transporte coletivo do município de Taubaté. Eles contam que ela usa o ponto próximo a universidade e que varia o horário para utilizar os coletivos.

A presa tem autorização para deixar a prisão às 17h para ir à aula e tem que retornar ao presídio até às 23h45.

Inicialmente, a detenta era monitorada por tornozeleira eletrônica, mas a Justiça determinou que o equipamento fosse usado apenas por 30 dias, que já se esgotaram. Para basear a decisão, a Justiça apontou que ela já foi beneficiada por 24 saídas temporárias e em todas elas voltou à unidade.

A condenada, que cumpre pena no regime semiaberto na P1 de Tremembé (SP), está entre os 263 presos de presídios do complexo de Tremembé no Vale do Paraíba que foram aprovados no Enem com a nota mínima para concorrer às vagas diretamente nas faculdades ou por programas de incentivo estudantil do governo federal.

A presa obteve a progressão do regime fechado para o semiaberto em outubro de 2015 e desde então tem benefício a saídas temporárias. Ela também pode deixar a unidade para trabalhar ou estudar, mas depende de autorização da Justiça.

A condenada já vinha tentando iniciar uma faculdade, mas sem sucesso. Em 2020, ela conseguiu uma vaga pelo Sisu no curso de Gestão de Turismo, no Instituto Federal de Campos do Jordão (SP).

Suzane se matriculou, mas não chegou a cursar as aulas por não ter sido autorizada pela Justiça para deixar o presídio

Em 2017, a presa foi aprovada para o curso de administração em uma instituição católica em Taubaté. Para custear a mensalidade, ela pleiteou o financiamento pelo Fies e foi contemplada. Apesar disso, não concluiu a matrícula.

Já em 2016, a presa recebeu autorização para cursar uma outra graduação. À época, ela tentava frequentar as aulas do curso de administração em uma universidade particular. Com medo do assédio fora da prisão, ela pediu à Justiça para fazer o curso online, mas por falta de recursos tecnológicos e aparato no presídio, teve o pedido foi negado.

Deixe seu comentário: