Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 12 98884 5913
No comando: Jambeiro FM a caminho do Sol

Das 00:00 às 04:00

No comando: Alvorada Sertaneja

Das 04:00 às 07:00

No comando: Sertanejo Classe A

Das 07:00 às 10:00

No comando: Café com a Psicóloga

Das 08:30 às 09:00

No comando: Musica e Informação com Alex Silva

Das 09:00 às 10:00

No comando: Revista Semanal

Das 10:00 às 12:00

No comando: Alex Silva com Música e Informação

Das 10:00 às 12:00

No comando: Almoçando com o Rei

Das 12:00 às 13:00

No comando: Tarde Musical Jambeiro FM

Das 13:00 às 16:00

No comando: Programa Sitio do Seu Dito

Das 16:00 às 18:00

No comando: Jambeiro a Noite

Das 21:00 às 00:00

No comando: Jambeiro a Noite

Das 21:00 às 23:00

No comando: JAMBEIRO FM DANCE CLUB

Das 22:00 às 00:00

No comando: O Poder da Fé

Das 23:00 às 00:00

Menu

Cidade piloto do experimento do Instituto Butantan tem alta de casos de Covid-19

A cidade de Serrana no interior de São Paulo, cidade piloto de um experimento do Instituto Butantan sobre a efetividade da CoronaVac, voltou a registrar aumento de casos do novo coronavírus, mas não no número de mortes dos infectados. O município foi imunizado em massa no mês de abril, e 56% da população recebeu doses da vacina chinesa.

O boletim epidemiológico da prefeitura mostra que foram 563 casos confirmados em outubro, o que corresponde ao triplo de setembro, que teve 179 infecções. O número de mortes, por sua vez, permanece estável, com quatro óbitos em setembro e três em outubro.

Um artigo científico publicado na revista Science, que analisou as vacinas Janssen, Pfizer e Moderna, apontou recentemente que a proteção dos imunizantes é reduzida ao longo dos meses. Segundo o estudo, em seis meses, a eficácia da Moderna contra a contaminação cai de 89% para 58%; a da Pfizer cai de 87% para 43%, enquanto a Janssen tem a queda mais expressiva: 86% para 13%. A proteção contra mortes em pessoas com 65 anos ou mais fica em 75,5% para a Moderna, 70% para a Pfizer e 52,2% para a Janssen.

Para imunologistas como Raquel Stucchi, os dados “reforçam a necessidade da dose adicional de imunizante”, conforme ela afirmou ao Portal 360.

Essa é a primeira vez desde maio que a cidade registra alta no número de casos da doença.

Um artigo científico publicado na revista Science, que analisou as vacinas Janssen, Pfizer e Moderna, apontou recentemente que a proteção dos imunizantes é reduzida ao longo dos meses. Segundo o estudo, em seis meses, a eficácia da Moderna contra a contaminação cai de 89% para 58%; a da Pfizer cai de 87% para 43%, enquanto a Janssen tem a queda mais expressiva: 86% para 13%. A proteção contra mortes em pessoas com 65 anos ou mais fica em 75,5% para a Moderna, 70% para a Pfizer e 52,2% para a Janssen.

Para imunologistas como Raquel Stucchi, os dados “reforçam a necessidade da dose adicional de imunizante”, conforme ela afirmou a um portal de notícias.

Deixe seu comentário: